quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Chegar com a brisa

Chegar, como brisa que atravessa a janela.
Soprando de leve, as brumas do passado.
Chegar, como o barco. 
Trazendo alegrias,
 após enfrentar as procelas sombrias.
Chegar, como a saudade. 
Que bate, de manso, no coração.
Chegar, como chuva, fininha, mansinha,
criadeira, necessária e tão querida. 
Ficar, nas lembranças do passado,
 nas estampas do presente,
 a retratar nosso ontem no hoje.

Ficar, para sempre. 
Na imagem nunca esquecida,
 dos que nos são tão queridos.
A vida, é chegar e ficar, para sempre. 
Vida nunca será partida. 

Cecília Meireles

Um comentário:

Balaio de Poesias disse...

Oi Luna, vim dar uma espiadinha e
adorei o seu Blog. Voltarei mais
vezes.
bjs
Zêh